Actos gratuitos

No célebre romance de André Gide, Les caves du Vatican, o herói, um jovem muito imaginativo, quer provar a si próprio que se podem executar certos actos sem qualquer razão válida. Tais actos não teriam fundamento senão em si próprios.

O jovem lança à linha um viajante desconhecido que ocupa com ele a mesma cabina do comboio. É um assassínio sem razão: não se lhe pode atribuir qualquer um dos motivos convencionais que acompanham os homicídios: interesse material, vingança, demência, paixão, agressividade social, etc.

Com este exemplo, Gide assinala a possibilidade do acto puro, do acto gratuito, e pretende demonstrar que, ao longo da sua existência, o homem é capaz de executar acções puramente externas a si próprio, sem qualquer compromisso. Quem não vê, porém, que a teoria do acto gratuito se baseia num postulado artificial? Sem dúvida, em si mesmo o acto parece independente de qualquer causa. Contudo, o facto de querer que ele exista, executando-o, é suficiente para o provocar. Este acto tem, portanto, uma causa e é bastante paradoxal pretender que a não tenha. O herói foi impelido a agir a fim de demonstrar que o seu pensamento estava correcto.

Albert Collette, Introdução à psicologia dinâmica

Facebook Comments

Licenciado em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto em 1995, é Professor no Ensino Secundário desde 1994/5 e Formador de professores, com o registo CCPFC/RFO-38329/17. Mestre em Ensino de Filosofia (Faculdade de Letras da Universidade do Porto). Mestre em Pedagogia do e-learning (Universidade Aberta). Site pessoal: http://sergiolagoa.wordpress.com . Coeditor do site Mil Folhas -- http://www.milfolhas.net Contacto: aulas.sergiolagoa@gmail.com

Marcados com: , , , , , , , , , ,
Publicado em Filosofia da ação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Creative Commons
Arquivo