Arquivos do Blog

A deificação do Homem

Com ferramentas o Homem aperfeiçoa os seus órgãos – tanto os motores como os sensoriais – ou elimina as barreiras que se opõem à sua acção. As máquinas conferem-lhe gigantescas forças que pode dirigir, como os seus músculos, em qualquer

Marcados com: , ,
Publicado em Axiologia, Filosofia da ação, Metafísica

Como [a quem e de quê] atribuir responsabilidade?

A identificação do autor com uma acção não é um acto negligen­ciável; em certas circunstâncias constitui mesmo uma operação muito complicada. 1. No caso das acções simples ou “básicas” (Danto), esta atribuição não constitui problema algum. Eu não pergunto quem

Marcados com: , , ,
Publicado em Filosofia da ação, Metafísica

Condicionantes da acção humana #2

A vida do homem forma um ‘todo’, de tal modo que cada um dos nossos actos leva em si o peso de toda a vida. Nos primeiros anos todas as perspectivas estavam abertas e o número de possibilidades era praticamente

Marcados com: , ,
Publicado em Filosofia da ação, Metafísica

Condicionantes da ação humana

O Homem é livre no seu querer e actuar, mas ele não é absolutamente livre sem limites e restrições. A compreender assim a liberdade, a essência do homem, tal como a experimentamos na nossa existência concreta, teria de ser redefinida.

Marcados com: , ,
Publicado em Filosofia da ação, Metafísica

O quarto de Locke

A Filosofia parece ser um luxo: diz-se até que a ocidental nasceu do ócio, na Grécia Antiga. Porém, sem Filosofia, atravessaríamos a tempestade sem saber sequer se teria valido a pena, ou seja, sem qualquer noção do sentido das coisas.

Marcados com: , , ,
Publicado em Axiologia, Filosofia da ação

Deliberação, decisão e acção

Definidas que estão as acções voluntárias e involuntárias, segue-se agora a discussão acerca da decisão. A decisão é, na verdade, o que de mais próprio concerne a excelência e é melhor do que as pró­prias acções no que respeita a

Marcados com: , , ,
Publicado em Filosofia da ação, Glossário

Acções voluntárias e involuntárias

Sendo a excelência constituída a respeito das afecções e das acções, havendo louvores e repreensões apenas relativamente a acções vo­luntárias – porque relativamente a acções involuntárias, às vezes há perdão, outras vezes compaixão -, é necessário, talvez, para quem pretende

Marcados com: , ,
Publicado em Filosofia da ação, Glossário

O que é a intencionalidade?

A noção nuclear na estrutura do comportamento é a noção de intencionalidade. Dizer que um estado mental tem inten­cionalidade significa apenas que ele é acerca de alguma coisa. Por exemplo, uma crença é sempre uma crença de que tal e

Marcados com:
Publicado em Filosofia da ação, Glossário

A especificidade da ação humana e os seus atributos

Deixando de lado alguns usos puramente técnicos da palavra “acção” (por exemplo, acção como participação no capital de uma empresa), o núcleo significativo da palavra estriba na produção ou causação de um efeito. A palavra “acção” emprega-se às vezes para

Marcados com: ,
Publicado em Filosofia da ação

Acção e responsabilidade

A identificação do autor com uma acção não é um acto negligen­ciável; em certas circunstâncias constitui mesmo uma operação muito complicada. 1. No caso das acções simples ou “básicas”, esta atribuição não constitui problema algum. Eu não pergunto quem sorriu,

Marcados com: ,
Publicado em Filosofia da ação
Creative Commons
Arquivo