Conceitos específicos nucleares IV

No actual Programa de Filosofia, o capítulo sobre Estética revela uma tendência claramente fenomenológica .

São apresentados vários conceitos tidos como essenciais:

estética, experiência estética, teoria estética, gosto, juízo estético, útil, agradável, belo,
horrível, sublime, arte, obra de arte, artista, espectáculo, criação artística.

Esta lista é paupérrima, deixando de lado conceitos tão importantes como os de Arte pela Arte, Autenticidade, Categorias estéticas, Emoção, Teorias institucional da Arte, Catarse, Efeito de distanciamento, Desinteresse, etc.

O Programa oficial contempla apenas estes conteúdos:

3.2. A dimensão estética – análise e compreensão da experiência estética
3.2.1. A experiência e o juízo estéticos
3.2.2. A criação artística e a obra de arte
3.2.3. A Arte: produção e consumo, comunicação e conhecimento

Na minha perspectiva, é pouco. Não desejando propriamente uma História da Arte ou História da Estética, que conduziriam (inexoravelmente?) a uma deriva não filosófica, preferiria, ainda assim, uma abordagem das relações entre Estética e Política, Arte e Religião ou Estética e Ciência.Por outro lado, o Programa parece não se abrir suficientemente a outras abordagens, como Wittgenstein, Margolis ou Goodman. Nem discute, por exemplo, se existe alguma unidade entre as diversas artes, ou o fundamento das críticas de arte.

Num post futuro, desenvolverei e justificarei algumas das afirmações mais polémicas que aqui levantei.

Blogue em http://paginasdefilosofia.blogspot.com
Facebook Comments

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.