Ética: Objecto e carácter normativo (I)

Objecto

1) Costumes, normas e valores. – As palavras Moral e Ética têm, na sua origem, um significado comum: elas derivam de mores e de ethos, termos que, respectivamente no latim e no grego, designam os «costumes». E, em, certo sentido, se pode dizer que estas ciências têm os «costumes» por objecto ou domínio.

Mas, que deve entender-se por costumes? E bastarão os costumes para definir o facto moral?

Num primeiro significado, «costume» significa o que é usual, habitual, no comportamento de um homem, ou de um grupo humano. Por «costumes» entende-se o conjunto das práticas sociais correntes, numa dada época e numa determinada colectividade.

Notemos, no entanto, que há costumes de diferentes espécies, comportamentos de variados níveis. E que o grupo não reage a uns e outros indiferentemente e do mesmo modo. Assim:

– Há os comportamentos inadmissíveis ou interditos: embriagar-se, proferir palavrões, meter-se com quem passa,etc.
– Há os comportamentos admissíveis ou permitidos: frequentar o Café ou o Cinema, ir a bailes, etc. (e estes mesmos eventualmente sujeitos a restrições como, por exemplo, a regulamentação das entradas no cinema segundo as idades).
– Há os comportamentos correctos (cumprimentar, ser delicado) e os obrigatórios (honestidade nos negócios, fidelidade à palavra dada).
– Há os comportamentos meritórios: ajudar os que precisam, consolar os que sofrem, etc., etc.

Que poderemos então inferir daqui? Pois bem: Que os costumes são afectados de valores, pelos quais se tornam negativos, neutros ou positivos; e que estão sujeitos a normas que os regulam, isto é: que os reprovam ou excluem; que os admitem e deixam passar; ou que os estimulam e aplaudem. Normas e valores aparecem assim como novas dimensões a ter em conta para definir a moralidade e determinar o objecto da Moral.

Facebook Comments

3 Comments

  1. Recentemente no meu Blogue publiquei um comentário sobre a distinção entre ética e moral. Achei pertinente um texto sobre esta temática pois é usual usarem-se os termos como sinónimos, o que não podia ser mais errado.

    Assim, se acharem pertinente, podem consultar este texto em: http://abuscapelasabedoria.blogspot.com/2009/11/moral-vs-etica.html

    Não sou especialista no assunto, um mero curioso, mas tento divulgar o que vou investigando de um modo simples e segundo a minha própria compreensão de leigo.

  2. A mais importante é «Uma teoria da Justiça». Também existe em português lusitano o «Liberalismo político» e «A lei dos povos» que completam as obras essenciais para a construção da visão política de Rawls. Em português com açúcar existe «História da filosofia moral» que consiste na compilação de várias «aulas» de Rawls sobre a filosofia moral moderna: Hume, Leibniz, Kant e Hegel. Estou a ler e estou deliciado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.