Filosofia com Crianças: Roubar pode ser Legítimo?

Sessão no Infantário Carolina Michaëlis

Nesta sessão, as crianças foram convidadas a reflectir sobre as razões que levam alguém a roubar, as consequências do roubo e se haveria circunstâncias em que roubar passaria a ser um acto justificável e aceitável socialmente.

Todas as crianças anuíram quanto ao facto de encontrar algo não constituir roubo. Porém, quando foi introduzida a variante de encontrar algo, ficando com ele, mesmo sabendo a quem pertence, já não houve consenso.

E pedir algo emprestado e não devolver? É roubar? E se eu não devolver porque me esqueço? E se for de propósito?”

Estas variantes na formulação das questões desenvolvem na criança a necessidade de perspectivar diferentes abordagens face à mesma acção, levando-as a pensar.

E poderá haver circunstâncias em que não faz mal roubar?” As crianças deram largas às ideias e passaram para o papel coisas que consideravam passíveis de serem roubadas ou tomadas sem que daí adviesse alguma forma de repreensão.

A partir destes desenhos, foi possível analisar a diferença entre as coisas que são importantes para nós por constituírem uma necessidade e outras por não passarem de desejos.

E se tivéssemos muita, muita fome, não tivéssemos dinheiro para comprar comida nem qualquer forma de a arranjar para sobreviver, seria justo roubar?”

As respostas dividiram-se, com algumas crianças a fincarem pé quanto à ilegalidade do roubo, mesmo perante necessidades fundamentais de cuja satisfação depende a sobrevivência, ao passo que algumas se apercebem da diferença.

E se, com fome, eu roubar um chocolate em vez de um pão? Acham que deveria merecer maior castigo?”

A diferença entre necessidades e desejos salta agora em força: roubar chocolates com fome é muito mais reprovável socialmente que roubar pão. A não ser numa interessante resposta: “roubar chocolates é muito pior porque faz mal aos dentes!” 🙂

Facebook Comments

Professora/Formadora. Licenciatura em Filosofia. Mestre em Comunicação Educacional Multimédia. Especialização em Igualdade de Género. Formação em Filosofia com Crianças pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto e pela Associação Portuguesa de Ética e Filosofia Prática. Membro de SOPHIA – European Foundation for the Advancement of Doing Philosophy with Children. Formadora / Tutora em e-learning.

Publicado em Didática da Filosofia, Filosofia com Crianças, Páginas de Filosofia, Pensamento Crítico

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Arquivo