Hume lido por Rawls – A razão é escrava das paixões?

Não há, pois, conflito algum entre a razão e as paixões. A aparência de que ele existe provém de confundirmos o conflito entre as paixões violentas e as paixões calmas, como o apetite geral pelo bem, com um conflito entre a razão e as paixões. Daí a famosa observação provocativa de Hume: «A razão é e deve ser apenas a escrava das paixões, e jamais pode pretender qualquer outro ofício que não o de servi-las e obedecê-las.» Uma questão que essa observação suscita é: Por que «deve» e não «pode»?
John Rawls, História da filosofia moral, tr. Ana Aguiar Cotrim, Martins Fontes, p. 36
Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.