Individualismo e egoísmo

O individualismo é uma expressão recente, que corresponde a uma ideia nova. O que os nossos antepassados conheceram foi o egoísmo.
O egoísmo é uma admiração intensa e exagerada por si próprio que leva o homem a tomar-se como único ponto de referência, e a preferir os seus interesses.
O individualismo é um sentimento consciente e tranquilo, que leva cada cidadão a isolar-se da massa dos seus semelhantes, e a afastar-se, com a família e os amigos. O homem constitui assim à sua volta uma pequena sociedade, para seu uso, e deixa voluntariamente de se interessar pela grande sociedade propriamente dita.
O egoísmo tem origem num instinto cego; o individualismo provém mais de um juízo errado do que dum sentimento adulterado. As suas raízes encontram-se tanto nos defeitos do espírito como nos do coração…
O egoísmo seca o gérmen de todas as virtudes; o individualismo apenas extingue a fonte das virtudes públicas; mas à distância, ataca e destrói todas as demais e funde-se enfim com o egoísmo.
O egoísmo é um defeito tão antigo como o mundo. Não é mais característico de uma forma de sociedade do que de outra.
O individualismo é de origem democrática, e ameaça desenvolver-se, à medida que as condições sociais se tornam iguais.
Tocqueville, Da democracia na América, Rés Editora, pp. 323, 324.
Imagem: Honore Daumier
Facebook Comments

7 Comments

  1. Grande texto! Certamente me fez refletir e me ajudará em minha redação sobre a cidadania, muito obrigado!

  2. O egoísmo é essencial ao desenvolvimento da humanidade, porque transforma a sociedade através da competição, permite o exercício amplo das melhores qualidades humanas e da capacidade de auto-superação. O altruísmo é um esquema de atrofia humana que potência corrupção e a ascensão dos inábeis.
    Quem não se valoriza, quem não se considera, quem não encontra em si o seu melhor, não estará nunca apto a desenvolver um papel social.
    Todos somos egoístas por natureza, mas só alguns são capazes de sobreviver em condições adversas. Em prol da sociedade, cheia de massa e com pouca individualidade, foram muitos os que fizeram proliferar os seus interesses altruístas e conduziram a humanidade a verdadeiras tragédias. Os egoístas só fazem bem ao mundo, porque concretizam nele as suas melhores qualidades, sem esperar mais do que a liberdade de serem o que são melhor – indivíduos.

  3. Muito nietzscheano o comentário anterior!

    Eu, particularmente, não sou tão afeito ao egoísmo enquanto padrão de conduta humano, a despeito de sua naturalidade e consequente inexorabilidade.

    Muito bom o texto de Tocqueville. Vou abordá-lo em algumas turmas do ensino médio onde estamos discutindo as relação entre individualismo e democracia.

  4. Há três dias que estou separado da minha esposa e depois de pensar muito sobre as minhas atitudes cheguei a conclusão que foi por causa do meu individualismo.
    Tenho duas perguntas e gostaria que fossem respondidas.

    O que eu sou

    Palavra chave, para saber quem sou: individualismo.
    Individualismo, a grande praga, responsável por todos os meus erros.
    Origem desta personalidade: sofrimento nas mãos do meu pai.

    Perguntas:
    Ser ateu, necessariamente, implica individualista?
    Ter religião é não ser individualista, esta que é sinônimo de princípios comuns a todos os integrantes?

  5. o egoísmo é realmente transforma a sociedade, para pior. É o pensamento isolado em uma só pessoa, “o eu”. É egoísmo é um cãncer por faltar-lhe a ética.

    O que seria de um formigueiro se todas elas fossem individualistas?

    É preciso entender que existem valores universais que a sociedade só se conquistará quando equilibrar “o eu” e o nós.

    Defender o egoísmo quando se nasceu com as melhores qualidades ou no melhor berço é fácil. Coloque-se antes no lugar do outro.

  6. Linaldo, não sei se ainda aceita esta resposta; mas não, ser ateu não implica individualismo. Afinal, muitos ateus são pessoas honestas e boas, por questões éticas, criação, etc.; e, crer em Deus ou ser “fiel” a alguma religião não farão de você, necessariamente, alguém não autocentrado, que procura o bem comum.
    Em verdade, não ser individualista implica com um esforço relativamente grande, mas com grandes recompensas a qualquer ser humano.
    Acredito que ao se ter um ideal, como Deus – em meu caso -, facilita e muito sua meta de vida, afinal te dá sentido à vida, mais sentido para fazer o bem, perder o orgulho e servir aos homens, mesmo que nada tenhas em troca.
    Traz-te paz de espírito, consciência; felicidade plena.
    Esforce-se para ser um ser verdadeiramente humano, que viva, e não que seja como o corpo morto que é arrastado pela correnteza. Permita-se escolher, e, no fim, seus ideais serão universais, aquilo que todo ser humano busca, mas não encontra, pois não consegue sair de si mesmo.
    Podes buscar por conta própria, o que é muito mais difícil, ou com pessoas ao seu redor. E, em própria opinião, Deus é fundamental para este crescimento como ser.
    Espero ter ajudado, amigo. Pax et bonum!

Comments are closed.