O quarto de Locke

A Filosofia parece ser um luxo: diz-se até que a ocidental nasceu do ócio,
na Grécia Antiga. Porém, sem Filosofia, atravessaríamos a tempestade sem
saber sequer se teria valido a pena, ou seja, sem qualquer noção do
sentido das coisas.

Num exemplo apresentado por John Locke, no século XVIII, uma pessoa está  presa num quarto sem o saber, mas, por coincidência, deseja permanecer lá.
Pergunta-se se quem não pode optar por outra situação é livre, só por
desejar estar na situação em que se encontra.

A resposta não é fácil, dependendo, afinal, do que entendermos por
liberdade. Se a liberdade significa poder optar, aquela pessoa não é
livre, mas viverá numa ilusão. Apesar de querer estar no quarto, não tem
escolha e, por isso, não é livre.

O quarto de Locke ilustra uma ilusão de liberdade de que todos somos
vítimas. Somos e fazemos apenas o que podemos. Mas o exemplo também revela  um desfasamento entre realidade objectiva e subjectiva que tem relevância  para delimitar a responsabilidade penal.

Em certos casos, como o da corrupção para acto lícito, a lei penal admite
que, sem se fazer algo que seja pernicioso, se pode cometer um crime.
Assim sucederá, por exemplo, se alguém praticar acto legal com celeridade,  para favorecer outra pessoa.

A mera decisão de realizar um acto, sem imparcialidade, parece tornar-se o  crime. E, na corrupção para acto lícito, o crime existe mesmo que o acto
seja devido, legal e manifeste até a celeridade que uma boa Administração
deve ter.

Assim, esta incriminação parece basear-se na subjectividade – em intenções  e motivações –, mas não em danos efectivos. E esta conclusão é reforçada por não se exigir sequer a prática do acto, bastando a promessa de o praticar para haver um crime consumado.

Dir-se-á que o Inferno está cheio de intenções – até boas! Porém, esta
lógica não é liberal, nem se apoia em critérios objectivos. A Constituição
não pressupõe que a igualdade, a liberdade ou a propriedade sejam lesadas pela mera vontade de as ofender.

É certo que na corrupção para acto lícito se pressupõe a falta de
transparência e de imparcialidade da Administração. Mas, se ela não se
revelar em factos, estamos caídos num Direito Penal de meras intenções e a adoptar uma atitude inquisitória, contra séculos de luzes.

Por isso, é da maior importância a prova, exigida legalmente, de que o
funcionário corrompido solicitou ou aceitou uma vantagem que não lhe era devida para praticar o acto. Esse facto é decisivo para legitimar a
intervenção penal.

Algo de semelhante sucede num conflito de deveres. Quem, com motivações imorais, escolhe cumprir um dos deveres e pretere o outro, de valor igual, tem o seu comportamento ainda assim justificado, por não poder cumprir ambos os deveres.

Fernanda Palma, Professora catedrática de Direito Penal

http://www.correiomanha.pt/noticia.aspx?contentid=DBC0C31B-950B-471E-93F1-AF46140412C9&channelid=00000093-0000-0000-0000-000000000093

Facebook Comments

Páginas de Filosofia é um projeto educativo que disponibiliza apoio didático e pedagógico a alunos e professores de filosofia. Promovemos cursos e formações presenciais, em e-learning e em b-learning.

Marcados com: , , ,
Publicado em Axiologia, Filosofia da ação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Creative Commons
Arquivo