O regresso (sem fantasmas) de Darwin

200 anos depois do nascimento de Charles Darwin (12 de Fevereiro de 1809)
e 150 anos após a sua mais famosa obra, a “Evolução das espécies”,
regressa ao Vaticano o debate sobre a relação entre evolução e criação,
merecendo mesmo em Março a realização de um congresso sobre o tema “A
evolução biológica: factos e teorias», organizado pela Universidade
Gregoriana, com o patrocínio do Conselho Pontifício para a Cultura (ver
Caixa).

Este é um tema que apaixona cientistas, filósofos e teólogos. A opinião
pública despertou para a reflexão que sobre ele se faz em Igreja quando,
em Setembro de 2006, Bento XVI reuniu com os seus antigos alunos de
doutoramento em Teologia, em Castel Gandolfo, para discutir questões
relativas à evolução darwinista e à Criação, com a presença de
personalidades como o presidente da Oester-reichichen Akademie der
Wissenschaften, Herbert Mang, o jesuíta Paul Elbrichk, professor de
filosofia em Munique, ou o filósofo Robert Spaemann.

Uma das vozes mais activas no debate em curso é a do Cardeal Christoph
Schoenborn, Arcebispo de Viena. Em entrevista à Rádio Vaticano, o Cardeal
austríaco disse que “se tudo for fortuito, a vida não tem sentido”,
precisando que “nem todas as explicações da evolução, do devir do mundo,
da vida ou do homem são compatíveis com a fé”.

A Teoria da Evolução foi evocada várias vezes pelo Papa, desde o início do
seu Pontificado. Na própria Missa de início de Ministério, a 24 de Abril
de 2005, Bento XVI afirmou na homilia que “nós não somos o produto casual
e sem sentido da evolução”, explicando que cada um “é o fruto de um
pensamento de Deus”.

A 6 de Abril de 2006, num encontro com os jovens da Diocese de Roma, o
Papa explicou que “a grande opção do Cristianismo é a opção pela
racionalidade e pela prioridade da razão”, “que nos mostra como por trás
de tudo haja uma grande Inteligência, na qual podemos confiar”. Nesse
discurso rejeitou uma outra opção possível, pela qual “se defende a
prioridade do irracional, segundo o qual tudo o que acontece na nossa
terra e na nossa vida seria apenas ocasional, marginal, um produto
irracional a razão seria um produto da irracionalidade”.

Na Vigília Pascal, a 15 de Abril do mesmo ano, o Papa falou da
ressurreição de Cristo utilizando “por uma vez a linguagem da teoria da
evolução” como “a maior «mutação», em absoluto o salto mais decisivo para
uma dimensão totalmente nova”.

Em Novembro de 2008, Bento XVI voltou a abordar a relação entre criação e
evolução, defendendo que o cosmos não é um sistema caótico, mas sim
ordenado, sendo possível “ler” nas suas regras internas a presença de um
criador.

Num discurso dirigido aos participantes da assembleia plenária da Academia
Pontifícia das Ciências, o Papa frisou que afirmar que a criação do cosmos
e o seu desenvolvimento sejam fruto da “providencial sabedoria” de um
criador não é o mesmo dizer que a criação remonta apenas ao início da
história do mundo e da vida. O criador “dá origem” aos seus
desenvolvimentos” e “ampara-os continuamente”.

Ao contrário do que se chegou a avançar na imprensa, Bento XVI não veio a
público “adoptar” a teoria do “desígnio inteligente”, muito popular em
várias Igrejas Evangélicas e com uma importância crescente nos EUA. Mesmo
não tendo passado de rumores, ouviram-se críticas a insinuar que esta
teoria não é mais do que um disfarce para o Criacionismo e um substituto
para a leitura literal do Génesis, segundo o qual Deus criou o mundo em 7
dias.

A verdade é que a Igreja Católica, com o avanço da exegese bíblica, tem
hoje uma leitura da Bíblia muito diferente da que oferecem algumas Igrejas
Cristãs, não vendo nos dois relatos da Criação no Génesis (apenas um deles
faz referência aos famosos 7 dias) uma explicação científica para a origem
do universo.

Segundo a fé cristã, a Criação é o acto pelo qual Deus, do nada, deu e
mantém a existência de tudo quanto existe; esse início foi coincidente com
o início do tempo. Quanto ao aparecimento sucessivo dos diversos seres
vivos cada vez mais complexos, a Igreja está hoje aberta a uma explicação
baseada numa evolução comandada por leis naturais estabe-lecidas pelo
Criador desde o início.

Fiorenzo Facchini escreveu no Jornal do Vaticano que a posição da Igreja
Católica aponta que a emergência do ser humano supõe um acto de Deus e que
a vertente espiritual do homem não pode ser vista como um mero produto do
processo da evolução natural.

“O projecto divino da criação pode ser levado a cabo através de causas
secundárias no curso natural dos acontecimentos, sem que seja necessário
pensar em intervenções miraculosas que apontem numa ou noutra direcção”,
lia-se no artigo de L’Osservatore Romano.

A revista jesuíta «Civiltà Cattolica», publicada na Itália, considerou ser
“gravemente erróneo e sinal de um não conhecimento da natureza, religiosa
e não científica, da Bíblia ver uma contradição ou uma oposição entre o
que afirma a Bíblia sobre a origem do homem e o que diz a teoria da
evolução”.

Ao fazer o paralelo entre a narração bíblica e a teoria da evolução,
conclui que se trata “de duas visões acerca da origem do homem que não só
não se contradizem, mas se completam, com a condição de que o cientista
não pretenda excluir cada intervenção de Deus da formação do homem, e o
crente não pretenda procurar e encontrar na ciência a confirmação de
quanto diz a Bíblia”.

http://www.agencia.ecclesia.pt/noticia_all.asp?noticiaid=68967&seccaoid=8&tipoid=239

Facebook Comments

Páginas de Filosofia é um projeto educativo que disponibiliza apoio didático e pedagógico a alunos e professores de filosofia. Promovemos cursos e formações presenciais, em e-learning e em b-learning.

Marcados com: ,
Publicado em Imprensa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Creative Commons
Arquivo