Onde estão os filósofos?

A polémica não é nova: a revista Arcadia, na Colômbia, publicou um extenso artigo criticando a ausência da Filosofia do espaço público. E pergunta:

En un país lleno de problemas que necesitan de reflexión profunda, los pensadores colombianos parecen mantenerse distanciados en su torre de marfil. ¿Por qué viven tan alejados del debate público? ¿No ha existido acaso en Colombia una importante tradición de intelectuales públicos? ¿O es que en este tiempo de mass-market los escritores han usurpado el lugar de los filósofos en los medios?

 

Afinal, a missão do filósofos é pensar problemas ou resolvê-los? Estarão os filósofos isolados na sua torre de marfim académica, mantendo-se friamente alheados dos problemas das pessoas comuns? Terão os filósofos desenvolvido uma espécie de fobia em relação aos meios de comunicação social? Será que os filósofos se profissionalizaram, se institucionalizaram, e abandonaram os comuns mortais? E aponta o caminho: “no estrangeiro” o filósofo começa a surgir como mediador, uma espécie de conselheiro para os problemas vitais das pessoas, além de ser um divulgador do pensamento filosófico. E apresenta os exemplos de Fernando Savater, Slavoj Žižek, Alain de Botton e Michael Walzer. O artigo ainda acusa os filósofos de estarem ausentes da internet, com um silêncio absoluto nos blogues e nas redes sociais: afinal, mesmo a página oficial da Sociedade de Filosofia da Colômbia não apresenta qualquer atividade para o ano em curso (2011). E termina:

¿No es hora ya de que los pensadores colombianos salgan de su fortín académico y entren decididamente en la discusión pública de los problemas del país?

A este retrato aterrador do dinamismo filosófico contrapõe-se um extenso artigo publicado num… blogue, logo a seguir ao artigo original da Arcadia.

¡AQUÍ ESTÁN LOS FILÓSOFOS!

Trata-se de um post que reúne sete respostas diferentes ao artigo original. Pelo meio, há quem acuse a revista de ter prestado um mau serviço, pois não recolheu as devidas informações e deu cobertura a “trabalhos” filosóficos que se encontram algures entre a propaganda e o tarot. Entre insinuações políticas pelo meio, Richard Tamayo pergunta se alguma vez houve de facto filósofos na Colômbia. O post termina com um texto sobre a utilidade da Filosofia, assunto sempre em voga.

 

¿Debe la filosofía dar un debate público sobre los temas que le interesan? Sin lugar a dudas. No concibo a la filosofía sino como un ejercicio de pensamiento público. El problema es cuáles son los espacios que se están percibiendo como legítimos, como “útiles” para ese debate. Al parecer se le pide a la filosofía engendrar grandes personajes mediáticos para demostrar, como si se tratara de un experimento científico, su presencia en “el país” –otra categoría que me cuesta entender– y, por lo tanto, mostrar su “utilidad”. Al parecer se exige que la filosofía se parezca cada vez más a los objetos que siempre ha intentado criticar: al mainstream de los medios masivos, a la industrialización del saber. ¿Cómo popularizar a la filosofía cuando ella parece siempre estar en el borde del lenguaje masivo? ¿Se trata de popularizar entonces los “resultados” del pensamiento? ¿Esos resultados que podrán “aportarle” algo al “país”?

 

E em Portugal, qual é a visibilidade dos filósofos?

 

 

 

 

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.