Relatório minoritário

Este filme é especialmente interessante para abordar o problema do livre-arbítrio pois, entre outros aspectos interessantes, clarifica a distinção entre determinismo e fatalismo. No filme, a última acção do vilão demonstra que a partir do momento que conhecemos o futuro, podemos alterá-lo. Ficar preso a um destino mesmo depois de o conhecer antecipadamente seria uma posição fatalista; no entanto a negação do fatalismo não arrasta consigo o determinismo…

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.