SIMONE WEIL: FILÓSOFA E MÍSTICA

Faria 100 anos na próxima terça-feira. Nasceu no dia 3 de Fevereiro de
1909, mas morreu jovem, com 34 anos apenas. Chamava-se Simone Weil, e era
de ascendência judaica. Figura complexa, filósofa de formação – as Obras
Completas, na Gallimard, completarão sete volumes -, professora de
Filosofia, viveu intensamente os dramas da primeira metade do século XX.

No seu número de Janeiro, Philosophie Magazine consagrou-lhe um dossier,
sublinhando “a originalidade” da sua filosofia, na confluência articulada
de experiência real, reflexão e acção. Aí se relata como a foram
encontrar, com 11 anos apenas, no meio de uma manifestação de grevistas no
boulevard Saint-Germain. Simone de Beauvoir refere nas suas Memórias um
encontro na Sorbonne: Weil jura apenas pela Revolução que “daria de comer
a toda a gente” e a Beauvoir, que sustenta que o verdadeiro problema é o
de “encontrar um sentido” para a existência”, replica: “Vê-se bem que
nunca passaste fome!”

Para perceber a alienação dos operários, tornou-se ela própria operária e
sindicalizou-se: “Enquanto nos não tivermos colocado do lado dos
oprimidos, para sentir com eles, não se pode tomar consciência.” Esgotada
pela incapacidade de seguir a cadência infernal da produção, dirá que aí
“o pensamento se encarquilha como a carne diante do bisturi”. Visionária,
viu claramente que a libertação não viria nem do fascismo nem do
comunismo, abstracções “ávidas de sangue humano” que remetem para “duas
concepções políticas e sociais quase idênticas”.

Denunciou a exploração da classe operária e o colonialismo, mas manteve-se
crítica face ao comunismo. Pôs-se ao lado da Resistência, reivindicando
“uma forma de ofensiva”, mas excluindo a violência das armas. Comprometida
com a liberdade e a libertação, manteve-se distante dos partidos políticos
e da Igreja.

Sobre os partidos escreveu que se trata de “organismos, publicamente,
oficialmente constituídos de modo a matar nas almas o sentido da verdade e
da justiça”. Quanto à Igreja, temia a sua intolerância. Ficou, pois, à
porta, pensando que a sua vocação era permanecer “cristã fora da Igreja”.

Embora educada no agnosticismo, viveu intensamente à “espera de Deus”.
Deus não deve ser tanto procurado como esperado como graça. Essa graça
consiste em “morrer para si mesmo”, ser “des-criado” e depois “re-criado”
em Deus.

Nesta espera, foi determinante uma experiência em Portugal em 1935, na
Póvoa de Varzim. Ela que sabia o que era o sofrimento, assistindo a uma
procissão em honra da padroeira, com velas e cânticos de uma tristeza
pungente – “Eu nunca escutei nada mais pungente” -, teve repentinamente “a
certeza de que o cristianismo é por excelência a religião dos escravos,
que os escravos não podem não aderir a ele, e eu também”.

Fui reler a sua obra Carta a um Homem Religioso, onde levanta a lista dos
obstáculos que a mantiveram fora da Igreja. Tudo se resume nesta
afirmação: “A Verdade essencial é que Deus é o Bem. Ele só é a
omnipotência por acréscimo.” Por isso, “é falsa toda a concepção de Deus
incompatível com um movimento de caridade pura. Todas as outras são
verdadeiras, em graus diferentes”. Os únicos milagres são os do amor, de
tal modo que “Hitler poderia morrer e ressuscitar 50 vezes que eu não o
veria nunca como filho de Deus”. “A forma de pensar de Cristo era a de que
devíamos reconhecê-lo como santo porque ele fazia o bem perpétua e
exclusivamente.”

A Igreja centrou-se no dogma, que levou ao anátema e, assim, “estabeleceu
um início de totalitarismo”. “Os partidos totalitários formaram-se devido
ao efeito de um mecanismo análogo ao da fórmula anathema sit. Esta fórmula
e o seu uso impedem a Igreja de ser católica, a não ser de nome.” A
parábola do bom Samaritano “deveria ter ensinado a Igreja a nunca mais
excomungar quem quer que fosse que praticasse o amor ao próximo”.

Só o amor salva: “Qualquer pessoa que seja capaz de um gesto de compaixão
pura para com um infeliz (coisa, aliás, muito rara) possui, talvez
implicitamente mas sempre realmente, o amor de Deus e a fé.”

Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia
http://dn.sapo.pt/2009/01/31/opiniao/simone_weil_filosofa_e_mistica.html

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.