Arquivos do Blog

Livre-arbítrio e determinismo na ação humana.

Uma dissertação de mestrado de Bárbara Viviana Moreira Monteiro, intitulado “Livre-arbítrio e determinismo na ação humana. Uma aplicação ao ensino de Filosofia no Ensino Secundário”, com orientação do Prof. Doutor José Meirinhos. Muito útil e interessante para professores do ensino

Marcados com: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
Publicado em Páginas de Filosofia

O determinismo é insustentável

Com efeito, na sua forma clássica, o determinismo defende que todo o efeito possui uma causa situada na natureza. Esta causa é, ela mesma, necessariamente o efeito de uma outra causa também presente na natureza que, consequentemente, é por sua

Marcados com: , , , , ,
Publicado em Sem categoria

A relatividade cultural

O homem recebe do meio, em primeiro lugar, a definição do bom e do mau, do confortável e do desconfortável. Deste modo os chineses preferem os ovos podres e os oceanenses o peixe em decomposição. Para dormir, os pigmeus procuram

Marcados com: , , , , , , ,
Publicado em Axiologia, Ética

Como [a quem e de quê] atribuir responsabilidade?

A identificação do autor com uma acção não é um acto negligen­ciável; em certas circunstâncias constitui mesmo uma operação muito complicada. 1. No caso das acções simples ou “básicas” (Danto), esta atribuição não constitui problema algum. Eu não pergunto quem

Marcados com: , , ,
Publicado em Filosofia da ação, Metafísica

Condicionantes da acção humana #2

A vida do homem forma um ‘todo’, de tal modo que cada um dos nossos actos leva em si o peso de toda a vida. Nos primeiros anos todas as perspectivas estavam abertas e o número de possibilidades era praticamente

Marcados com: , ,
Publicado em Filosofia da ação, Metafísica

Condicionantes da ação humana

O Homem é livre no seu querer e actuar, mas ele não é absolutamente livre sem limites e restrições. A compreender assim a liberdade, a essência do homem, tal como a experimentamos na nossa existência concreta, teria de ser redefinida.

Marcados com: , ,
Publicado em Filosofia da ação, Metafísica

Deliberação, decisão e acção

Definidas que estão as acções voluntárias e involuntárias, segue-se agora a discussão acerca da decisão. A decisão é, na verdade, o que de mais próprio concerne a excelência e é melhor do que as pró­prias acções no que respeita a

Marcados com: , , ,
Publicado em Filosofia da ação, Glossário

Acções voluntárias e involuntárias

Sendo a excelência constituída a respeito das afecções e das acções, havendo louvores e repreensões apenas relativamente a acções vo­luntárias – porque relativamente a acções involuntárias, às vezes há perdão, outras vezes compaixão -, é necessário, talvez, para quem pretende

Marcados com: , ,
Publicado em Filosofia da ação, Glossário

O que é o problema do livre-arbítrio?

Talvez valha a pena remontar às origens desta controvérsia já que, como sucede com frequência, a sua forma original é também a mais clara. Surgiu, tanto quanto sei, como uma consequência do interesse dedicado dos primeiros Estóicos gregos a duas

Marcados com: , ,
Publicado em Metafísica

A especificidade da ação humana e os seus atributos

Deixando de lado alguns usos puramente técnicos da palavra “acção” (por exemplo, acção como participação no capital de uma empresa), o núcleo significativo da palavra estriba na produção ou causação de um efeito. A palavra “acção” emprega-se às vezes para

Marcados com: ,
Publicado em Filosofia da ação
Arquivo