Thomas Nagel – Razão e relativismo #3

O pensamento reconduz-nos sempre ao uso da razão incondicional se tentarmos colocá-lo em causa em termos globais, porque não podemos criticar algo com coisa nenhuma; e não podemos criticar o mais fundamental com o menos fundamental. A lógica não pode ser afastada pela antropologia. A aritmética não pode ser afastada pela sociologia ou pela biologia. E a ética também não, segundo julgo. Penso que, mal se identifique a categoria de pensamentos no exterior dos quais nos não podemos colocar, o domínio de exemplos irá revelar-se bastante lato.
Podemos ser levados a reexaminar as nossas convicções aritméticas e morais ao apontarem-nos influências culturais, mas o exame terá de efectuar-se usando raciocínio aritmético ou ético de primeira ordem: não se podem deixar pura e simplesmente esses domínios para trás, substituindo-os pela antropologia cultural.
Thomas Nagel, A última palavra, tr. Desidério Murcho, Gradiva, p. 30.
Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.